A Casa Levain interrompe suas atividades no Vale do Sol e se despede.

Após um ano de muitas histórias, trocas e experiências de vida nessa casa entre as montanhas, fechamos as portas, mas não sem antes dizer algo muito importante:
o que viemos falar com esse espaço é maior do que ele. Viemos falar que o que entra em nosso corpo é sagrado, para nós e para o mundo. Que o alimento livre de agrotóxicos preserva a terra e a água de nosso planeta. Que a agricultura familiar e os projetos de cooperativas e economia colaborativa prezam o respeito pela terra, pelo homem. 

Que um pão leva tempo para crescer. Que o tempo da vida pode e deve ser outro.
Então, a Casa Levain existe e existirá em pequenos hábitos de consumo, no desacelerar da vida, estará presente quando descobrirmos que não é necessário automatizar e acelerar tudo, que podemos dar tempo para que tudo aconteça em plenitude, assim como foi com nosso pão, a natureza tem ritmo próprio e é preciso entender que ritmo, tempo e respeito ao tempo é o que mais nos falta hoje.
Aos nossos clientes nossa eterna gratidão, foi uma honra tê-los tão próximos, partilhar nossos sabores, ideias e espaço. Os ciclos se fecham porque o que somos nós se não seres cíclicos, não é mesmo?

Toda despedida tem uma pitada melancólica mas também uma grande dose de gratidão, celebração e novos caminhos que se abrem.
Sigamos, sendo verdadeiros e atentos aos nossos hábitos e ações. Deixando esse mundo um lugar muito melhor e comendo sempre o que nos alimenta. Ao corpo e à alma.

Gratidão.